Publicidade:

O que é mais assustador? A ideia de extraterrestres em mundos estranhos, ou a ideia de que, em todo este imenso universo, nós estamos sozinhos?

Vênus, o planeta mais próximo de nós, pode parecer um mundo escaldante e inóspito, e de fato é. Mas às vezes, o melhor esconderijo para algo está a vista de todos, e justamente de onde parecia mais improvável, pode vir uma das maiores descobertas de nossa história.  Confira aqui no nosso Site de Curiosidades sobre a maior descoberta que já fizemos sobre Vênus.

Vênus é o segundo planeta mais próximo do Sol. Conhecido por sua superfície infernal, recheada de vulcões aqui e ali, as temperaturas por lá não são nada convidativas. A superfície do planeta é uma verdadeira estufa sufocante que pode chegar até a 480 graus – quente o suficiente para derreter chumbo, além da presença de nuvens que escondem ácido sulfúrico. Mas parece que os pequenos venusianos não habitam a superfície do planeta, e sim a parte superior de sua atmosfera, onde as condições são mais temperadas, e as temperaturas variam de 0 a 90 graus. Essa empolgante descoberta foi possível graças a uma equipe de astrônomos da Inglaterra e Estados Unidos, que há 6 meses vem estudando a presença de uma substância que não deveria estar lá: a fosfina. Esse gás estranho, até onde se sabe, só pode ser produzido em laboratório ou por alguns tipos de micróbios que vivem em ambientes onde não existe oxigênio. Bom, é bastante improvável que existam laboratórios alienígenas em Vênus, então a segunda opção parece bem mais provável. Para realizar a descoberta desse gás, os pesquisadores utilizaram os telescópios James Clerk Maxwell, no Havaí, e o observatório ALMA, no Chile. Antes disso, estudos já haviam sido publicados mostrando que se a fosfina fosse encontrada em algum planeta rochoso, seria um sinal seguro de vida.

CONTINUA…

Publicidade:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *