Resenha sobre o Filme O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio (PARTE 2)

CONTINUAÇÃO:

Gostamos da idéia de revisitar esse universo mas confessamos que também estamos cansados de ir para o cinema para ver a mesma história, pois, em resumo, também é isso que Exterminador do futuro: Destino Sombrio faz, não que seja ruim, porque de verdade não é, até porquê na ordem de qualidade estaria o segundo filme, o primeiro e este viria em terceiro, mas, também não é uma tarefa muito difícil, e mesmo assim diríamos que ele tem dois problemas significantes que podem tornar a experiência menos satisfatória, o primeiro é: ele chegou depois de terem mordido/mastigado demais a franquia o que tirou boa parte do frescor; e o segundo, é que a idéia era estabelecer um novo contexto só que na prática, mesmo se todas essas sequências não tivessem existido, esse “terceiro capítulo” só muda o trem mas faz a mesma viagem percorrendo os mesmos trilhos que os dois primeiros.

O que por um lado permite que a trama não perca tempo se estabelecendo demais e já começa fervendo indo direto para o arranca rabo, e apresenta seus novos personagens e dinâmicas em movimento; por outro lado o que vem a seguir testa a nossa paciência para ver quantas vezes a gente consegue se envolver com a história do organismo cibernético que vem do futuro para acabar com a pessoa seguido de outro viajante do tempo encarregado de protegê-la, repetindo a fórmula que intercala momentos de ação, com explicações expositivas enquanto os personagens de deslocam para lá e para cá com direito até à inserções de flash forward do futuro apocalíptico. Mas assim, fazendo um exércicio de abstração dessa repetição, nos permitindo embarcar na mesma viagem novamente, como se fosse nova, e deixando o filme apresentar seus valores, realmente não tem como negar que eles existem.

CONFIRA A PARTE 1 NO ARTIGO ANTERIOR, E NO PROXIMO ARTIGO A PARTE 3 E A FINAL…

Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *