Previsões para “2050” (PARTE 2)

CONTINUAÇÃO…

O FIM DO SILÍCIO

Muitos de vocês estão familiarizados com a Lei de Moore, uma observação que reflete a melhoria exponencial da computação nas últimas décadas. Originalmente, tal lei dizia que o poder de processamento dos computadores dobraria a cada 18 meses. No entanto, estamos atingindo os limites do que podemos fazer com a computação baseado no silício. Embora o elemento químico provavelmente continue sendo bem aproveitado nos próximos anos, a computação de ponta passará por uma grande mudança tecnológica. Os nanotubos de carbono são menores, mais leves e mais rápidos que o silício e, portanto, podem permitir que o poder da computação continue aumentando. A computação quântica, um avanço ainda maior, se aproxima cada vez mais e pode definir a vanguarda da tecnologia de computação até 2050.

IMPRESSÃO 4D

Muitos de vocês estão familiarizados com a Lei de Moore, uma observação que reflete a melhoria exponencial da computação nas últimas décadas. Originalmente, tal lei dizia que o poder de processamento dos computadores dobraria a cada 18 meses. No entanto, estamos atingindo os limites do que podemos fazer com a computação baseada no silício. Embora o elemento químico provavelmente continue sendo bem aproveitado nos próximos anos, a computação de ponta passará por uma grande mudança tecnológica. Os nanotubos de carbono são menores, mais leves e mais rápidos que o silício e, portanto, podem permitir que o poder da computação continue aumentando. A computação quântica, um avanço ainda maior, se aproxima cada vez mais e pode definir a vanguarda da tecnologia de computação até 2050.Em 2050, essa naves poderão pousar em Marte, obter energia do planeta, e se replicar para explorarem de forma autônoma outros planetas, fazendo isso de forma exponencial à medida que vão pousando em novos lugares.

UMA NOVA MANEIRA DE COMBATER BACTÉRIAS

Novos avanços médicos estão se tornando cada vez mais necessários, à medida que vemos nossos métodos atuais começarem a falhar. Os antibióticos, que provavelmente já salvaram você ou alguém que você conhece da morte, não permanecerão úteis por muito mais tempo. As bactérias estão ficando resistentes e precisamos de uma nova ferramenta para combatê-las. Uma possibilidade é combater infecções bacterianas com infecções virais. Os vírus que atacam bactérias são conhecidos como bacteriófagos e fazem com que seus hospedeiros literalmente desmoronem. Outro método possível é introduzir produtos químicos que ligam anticorpos existentes com agentes infecciosos, auxiliando a resposta imune do organismo. A DARPA, famosa por estar na vanguarda da tecnologia militar, está investindo em nanotecnologia. A agência norte-americana quer desenvolver uma nanopartícula que possa atingir bactérias com substâncias químicas alteradoras de genes reprogramáveis. Dessa forma, assim que as bactérias evoluem, a tecnologia pode ser ajustada em pouco tempo para contornar a resistência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *