Ilha de Socotra, lar da mais exclusiva flora do planeta (PARTE 2)

CONTINUAÇÃO…

O tronco é grosso e retorcido, mas quando aberto, sangra uma resina em vermelho profundo; o sangue, talvez, do dragão ferido.

Outra árvore que não se deixar passar despercebida é a rosa do deserto. Sua versão reduzida é fácil de se encontrar em floriculturas, mas a sua versão original está em Socotra, e é inconfundível.

O arquipélago foi descoberto pelos portugueses em 1507, pela mesma expedição que descobriu Tristão da Cunha, ilha que abriga o povoado mais isolado do planeta. Mas em poucos anos, a infertilidade da terra fez os colonizadores abandonarem a região, que passou a ser controlada pelos muçulmanos. Mas a história de Socotra não começa aí. As ruínas de uma cidade que remonta ao século 2 foram descobertas por uma equipe arqueológica russa em 2010, mas pouco se sabe sobre. Alguns acreditam que a ilha é a localização do Jardim de Éden original, pois fica na beira do Golfo de Áden, que muitos relacionam com os antigos contos sumérios de um paraíso chamado Dilmun. Nos últimos séculos, a flora única das Ilhas Socotra, apesar das vastas regras de preservação, veio a figurar entre as 10 mais ameaçadas do mundo. A paisagem árida, em parte na selva e em parte no deserto, sustenta a vida de cerca de 50.000 pessoas e entretêm um punhado de turistas. Enquanto as árvores e plantas evoluíram para se adequar ao clima hostil, o local podeser desafiador para a maioria das pessoas. Socotra continua sendo um dos lugares mais remotos da Terra. Apesar desse lugar isolado ter visto a abertura de um aeroporto em 1999, é ainda uma rota pouco frequente, pois as pessoas são aconselhadas a não viajar devido aos constantes conflitos que se fazem presentes no Iêmen.

O que achou da Ilha? Qual lenda você achou mais “interessante”? Qual árvore você achou mais belamente extraordinária? Podemos lhe dizer que gostamos muito dos dragoeiros.

Publicidade:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *