Animais Letíferos que podem Salvar Vida (PARTE 2)

CONTINUAÇÃO…

HELODERMA SUSPECTUM

Apesar do nome, esse animal não é mortal para nós. Ele possui um veneno em sua saliva que provocará apenas dor intensa e sangramento, o que após uns dias de recuperação passará sem nenhuma sequela. Habitando apenas os Estados Unidos, esse lagarto é extremamente importante para nós. Um componente de seu veneno, a exendina quatro, se tornou a base para novos medicamentos que atuam contra o diabetes do tipo 2. Esse componente é bastantesemelhante ao GLP1 existente nos seres humanos e que ajuda o corpo a regular a quantidade de insulina que produz. A droga criada a partir desta proteína ajuda os diabéticos a manter os níveis saudáveis ​​de glicose, perder peso e ainda inibe o apetite.

PERERECA-MACACO-DE-CERA

Esse anfíbio libera uma série de proteínas através de sua pele, incluindo o óleo de cera que deu o seu nome, o que permite reduzir a quantidade de água perdida através de sua pele. A perereca também libera um veneno alucinógeno que causa taquicardia, vômitos e outros sintomas. Mas, apesar dos perigos, em seu veneno existe um componente chamado dermorfina, que é 40 vezes mais potente que a morfina e significativamente menos viciante. Além disso, esse componente limita o crescimento de vasos sanguíneos e pode ser utilizado para atacar uma grande parte dos tumores cancerígenos, por exemplo.

TARÂNTULA-ROSA-CHILENA

Apesar de o veneno das tarântulas não ser perigoso para os seres humanos, a única  preocupação que devemos ter é com as alergias, já que o veneno do animal pode desencadear um choque anafilático em pessoas sensíveis. A tarântula-rosa-chilena possui um veneno especial que contém uma proteína chamada GSMTX4. Cientistas descobriram que essa proteína pode ser capaz de impedir que o corpo destrua seus próprios músculos, retardando a distrofia muscular, que é uma doença degenerativa. Embora não seja um tratamento revolucionário, ainda pode oferecer uma melhor qualidade de vida aos portadores da doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *