Pessoas que Exageram nas Plásticas por serem Obcecadas pelo Corpo Perfeito

As pessoas que iremos mostrar neste post fizeram de sua vida uma só meta: Atingir o corpo perfeito! Mesmo que isso pudesse lhe custar a saúde ou trouxesse consequências. Vamos conhecer então as  Pessoas que Exageram nas Plásticas por serem Obcecadas pelo Corpo Perfeito.

1° FULVIA PELLEGRINO 

Fulvia Pellegrino  já passou por mais de 150 precedimentos cirúrgicos em busca da perfeição. Preenchimento dos lábios e maçãs do rosto, implantes de silicone nos seios e lipoescultura foram alguns deles. Essa transgênero italiana de 56 anos já gastou mais de 76 mil dólares transformando seu corpo.

“Cirurgia plástica não é uma droga, mas é algo que as pessoas como eu precisam. Não estou satisfeita com meu rosto e outras partes do meu corpo”. “Não vou parar aqui. Quero ir adiante, porque o corpo não está perfeito. Se eu alcançar a perfeição, aí talvez eu pare.”                             (FULVIA PELLEGRINO) 

2° AKASH SHUKLA 

Akash Shukla parou de crescer com 16 anos e isso o deixou incomodado. Anos depois, ele optou por se submeter a uma cirurgia de alongamento de membros. A cirurgia de 85 mil dólares foi cara, arriscada e extremamente dolorosa. Os médicos durante a operação quebram os ossos com um cinzel e encaixam os anéis de metal com parafusos. Durante a reabilitação que dura 6 meses, os parafusos são girados nas pernas para criar lacunas nos ossos. Mas Akash Shukla suportou a tudo isso em busca de seu sonho que era ser um pouco mais alto.

3° ALEIRA AVENDANO 

Aleira é uma modelo venezuelana que em busca da beleza perfeita usou um espartilho durante 7 anos para conseguir a cintura ideal com uma circunferência de 51 cm. Mas também passou por mais de 20 procedimentos cirúrgicos, incluindo quatro aumentos nas próteses dos seis e dois procedimentos de rinoplastia.

“Eu não fico preocupada em entrar na faca. Vou fazer qualquer tipo de cirurgia para me sentir melhor com meu corpo. Todas as mulheres deveriam ter esse direito.”        (ALEIRA AVENDANO). 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *